Quais as métricas utilizadas para viabilizar um projeto de TI?

18 / 01 / 2016

Todo projeto de TI faz uso de métricas para medir o desempenho dos times envolvidos nas operações e o potencial retorno financeiro causado pelas melhorias. Nesse cenário, dois indicadores se destacam.

O TCO (Total Cost of Ownership, ou custo total de propriedade, em tradução livre) é utilizado para medir os custos envolvidos diretamente ou indiretamente à compra de todo investimento importante. Já o ROI (Return On Investment, ou retorno sobre o investimento) permite que uma companhia possa medir o tempo necessário para obter o retorno financeiro diante de um novo projeto.

Se você quer conhecer um pouco mais sobre cada uma e como elas estão relacionadas a um projeto de TI, leia nosso texto de hoje!

Por que acompanhar o TCO?

O TCO permite que empresas estimem todos os custos relacionados a compra e manutenção de um produto, software ou equipamento. Feito corretamente, ele servirá como uma maneira eficiente para que um gestor consiga definir se um projeto novo ou investimento valerá a pena no longo prazo. Unindo custos de manutenção, de treinamentos, possíveis reparos por falhas e até os prejuízos causados em casos de perdas de produção, uma empresa poderá tomar medidas com mais segurança.

O Custo Total de Propriedade torna companhias mais competitivas frente aos seus concorrentes. Ela é uma maneira simples e prática de gestores avaliarem se uma nova tecnologia terá um impacto realmente positivo no longo prazo. Em um cenário onde a tecnologia passou a ser uma impulsionadora de novos negócios, saber investir em TI pode ser a chave do sucesso de diversas companhias.

ROI em TI: auxiliando projetos de sucesso

O ROI é um indicador que busca aferir o tempo necessário para uma companhia recuperar as cifras investidas em um novo projeto. Em alguns casos, ele também pode ser adaptado para identificar o potencial de um novo gasto tornar-se lucro. Entretanto, nem sempre um ROI positivo indica que um novo projeto vale a pena.

Gestores de TI precisam ter em mente que o ROI em TI não é capaz de aferir todos os benefícios que a tecnologia pode proporcionar para uma empresa. Como a TI se trata de uma ferramenta que possibilita o aumento da produtividade de funcionários, desenvolvimento de novas estratégias de negócios e abordagens mais humanas para as inovações da área. Nesse cenário, o passo mais importante para o correto cálculo do ROI em TI é definir qual tipo de objetivo que o projeto novo possui (aumento de produtividade, melhoria da qualidade de vida em ambiente corporativo, etc).

Assim, o ROI poderá ser avaliado corretamente. Em alguns casos, mesmo que um novo sistema ou equipamento tenha um ROI ruim, ele pode acabar sendo um bom gasto. Isso está relacionado, principalmente, à compras de soluções que melhoram a qualidade de vida de funcionários, a sua produtividade ou a forma como trabalham.

Indicadores que tornam companhias mais competitivas

Nas últimas décadas, a concorrência entre empresas tornou-se mais forte. Na era da informação, a tecnologia deixou de ser apenas um caro investimento que permite o aumento da produtividade de colaboradores e redução de custos. Hoje ela passou a ser uma área para quem procura aumentar a qualidade da prestação de serviços para parceiros estratégicos e clientes em potencial.

Nesse cenário, saber investir em novas tecnologias pode ser a chave para o sucesso de diversas empresas. Para que isso possa ser feito sem grandes problemas, uma boa maneira é unir o ROI com o TCO. Assim, gestores podem avaliar melhor o potencial de suas empreitadas tecnológicas e definirem a melhor abordagem para a criação de novas soluções em TI.

E você, já faz uso de métricas no seu dia a dia? Compartilhe conosco!