Pesquisa: o que os funcionários mais querem em seus espaços de trabalho

21 / 10 / 2019

Para ter uma mão de obra mais saudável e produtiva, espera-se que as empresas do país gastem, em média, US$ 3,6 milhões em programas de bem-estar em 2019: academias internas, mesas para trabalhar em pé, salas de meditação, sessões de alongamento. Esses são apenas alguns benefícios em que as empresas estão investindo.

Mas, tudo isso está valendo a pena?

Os resultados de um estudo recente de Harvard sugerem que programas de bem-estar, oferecidos por 80% das grandes empresas norte-americanas, tiveram resultados inexpressivos – e nossos achados refletem isso. A Future Workplace em parceria com a View entrevistaram mais de 1600 funcionários para descobrir quais regalias de bem-estar mais importavam para eles, e como elas impactavam a produtividade.

Para nossa surpresa, descobrimos que os funcionários querem primeiro o básico: melhor qualidade do ar, acesso à luz natural e a chance de personalizar seu espaço de trabalho. Metade dos entrevistados disseram que a má qualidade do ar os deixa com sono durante o dia, e mais de 1/3 deles relatou cerca de 1 hora/dia de produtividade perdida. Na verdade, a qualidade do ar e da luz foram os maiores influenciadores do desempenho, felicidade e bem-estar dos funcionários, enquanto academias e ferramentas tecnológicas de saúde foram considerados menos importantes.

Organizações podem fazer melhorias nessas áreas, e precisam fazê-lo, em benefício próprio e de seus funcionários. Um espaço de trabalho de alta qualidade – com luz natural, boa ventilação e temperatura agradável pode reduzir o absenteísmo em até quatro dias/ano. Com faltas não previstas custando às empresas cerca de US$ 3600/ano por horista, e quase US$ 2650/ano por mensalista, pode gerar grande impacto nos resultados.

Outras pesquisas concluem que os funcionários que estão satisfeitos com seus espaços de trabalho são 16% mais produtivos, 18% mais estáveis no emprego e 30% mais atraídos à sua empresa atual em comparação às suas concorrentes diretas. Dois terços dos entrevistados disseram que um espaço de trabalho focado em sua saúde e bem-estar aumentaria em muito as chances de aceitarem um novo emprego ou permanecerem em seu emprego atual. Isso significa que as empresas dispostas a adotar uma visão focada no bem-estar do funcionário não apenas aumentarão sua produtividade, mas também sua habilidade de atrair e reter talentos.

Para começar, seguem três dicas para melhorar seu espaço de trabalho e o bem-estar de seus funcionários:

1. Para de gastar dinheiro em benefícios sem sentido

Uma boa regra é: nunca suponha saber o que seus funcionários querem. Simplesmente, pergunte. Se mais empresas fizessem isso, menor seria a ênfase em benefícios sem sentido que apenas uma minoria aproveita (como uma academia interna), e maior a ênfase em mudanças no espaço de trabalho que impactam, de fato, todos os funcionários.

O fator ambiental mais citado em nossa pesquisa foi a melhoria da qualidade do ar: 58% dos entrevistados disseram que um ar fresco, livre de alergênico, aumentaria seu bem-estar; 50%, que trabalhariam melhor com uma vista para a área externa; e 33%, que queriam poder ajustar a temperatura de seu espaço de trabalho. Apenas um em cada três dos entrevistados caracterizou como ideal a temperatura de seu escritório.

Distrações sonoras incomodam mais de 33% dos entrevistados, impactando sua capacidade de concentração. Muitos disseram que o som de telefones tocando, pessoas digitando e colegas conversando impactavam sua concentração.

Quase metade deles queria que suas empresas investissem nesses fatores ambientais e, em muitos casos, até mais do que noutros tipos de benefícios. O primeiro passo, então, é analisar onde você está gastando seu dinheiro, cortando despesas que não trazem resultados.

2. Personalize sempre que possível

Já nos acostumamos a personalizar nossas vidas fora da empresas. Fazemos maratona das séries que gostamos e das músicas que amamos, mesmo se nossos parceiros ou amigos têm preferências distintas. Ajustamos nossos termostatos sem ter de sair do sofá, e regulamos a iluminação conforme nossa preferência.

Funcionários estão começando a querer ter as mesmas facilidades no trabalho. Nossa pesquisa relevou que os funcionários, por uma margem de 42% contra 28%, preferem ser capazes de personalizar seu espaço de trabalho a desfrutar férias ilimitadas. Especificamente, eles querem personalizar:

  •         Temperatura do espaço de trabalho: quase metade deles quer um aplicativo que lhes permita estabelecer a temperatura de seu espaço de trabalho.
  •         Iluminação superior e da mesa: 33% deles querem controlar a iluminação superior e a de sua mesa, além dos níveis de iluminação natural.
  •         Níveis de ruído: 33% deles gostariam de uma “paisagem sonora” em seu escritório.

Embora essas exigências possam parecer exclusivas a escritórios de executivos – não são. A Hewlett Packard Enterprise é exemplo de uma empresa que conseguiu ajudar seus funcionários a controlar o nível de ruído em um piso em planta aberta. Seus prédios foram projetados para controlar o som ambiente a fim de reduzir as distrações dos funcionários. Algumas empresas como a Regeneron Pharmaceuticals deram um passo à frente, permitindo aos funcionários controlar a iluminação natural que entra pelo vidro das janelas com um aplicativo de celular.

Mas para as empresas que não querem investir num prédio totalmente novo, existe uma opção mais natural. A Cisco, por exemplo, controlou os níveis acústicos em seu espaço ao criar um piso em planta aberta sem locais específicos que incluem “vizinhanças” de espaços de trabalho projetados especificamente para funcionários que colaboram pessoalmente, remotamente ou mesmo que gostam de trabalhar sozinhos.

Essa mesma estratégia se aplica à iluminação ou temperatura. É possível posicionar funcionários que preferem temperaturas maiores ou mais iluminação nas extremidades, enquanto os outros que gostam de lugares mais silenciosos e arejados, no centro.

3. Crie uma visão holística de bem-estar laboral

Ao decidir que mudanças fazer em sua organização, lembre que o bem-estar laboral não trata apenas da saúde física de seus empregados. Ela também inclui bem-estar emocional e ambiental. Para criar um ambiente de trabalho verdadeiramente saudável, leve em conta essas três áreas:

  • Bem-estar emocional: dê acesso à luz natural aos seus funcionários, e salas mais silenciosas onde podem focar confortavelmente em seu trabalho.
  • Bem-estar físico: ofereça às pessoas opções alimentares saudáveis, e estações de trabalho ergonomicamente planejadas.
  • Bem-estar ambiental: garanta que seus espaços laborais tenham boa qualidade de ar, iluminação, temperatura e acústica.

Empresas que adotam uma visão mais holística de bem-estar no trabalho logo percebem que nenhum departamento isolado pode solucionar o problema. Os resultados de nosso estudo, da mesma forma que os do relatório World Green Building Council, indicam que as organizações devem avaliar cuidadosamente que mudanças realmente importam. Minha sugestão: considere primeiro atender o básico, investindo em áreas-chave que terão maior impacto.

 

Este artigo foi traduzido e adaptado do original “Survey: What Employees Want Most from Their Workspaces“, publicado por Jeanne C. Meister no Harvard Business Review.