home Sem categoria O que os chatbots podem fazer pelas instituições de caridade?

O que os chatbots podem fazer pelas instituições de caridade?

Uma interação virtual para incentivar apoiadores de ONGs e instituições de caridade – assim os chatbots podem ser enxergados no setor dos projetos sociais e ambientais. Eles não só podem ajudar na captação de recursos, como podem ajudar a propagar os propósitos defendidos.

Desde uma comunicação que ajude a conhecer o projeto a até mesmo o pedido das doações em si, a ferramenta também tem potencial nesse setor da economia.  E quem não gosta de fazer uma boa ação?

Se você trabalha com caridade e ainda não sabe o potencial dos bots, precisa entender o poder da inteligência artificial para a qualidade no atendimento e aumentar os incentivos.  Veja a seguir como utilizá-los na sua instituição!

Aplicação dos chatbots nas instituições de caridade

Com a popularidade das redes sociais, uma ferramenta como os bots sempre ajuda a estreitar relacionamento com o público. Para as instituições de caridade, essas ferramentas permitem apresentar o trabalho e aumentar as participações nos donativos.

Eles podem ser aplicados em várias plataformas, sendo as redes sociais só um exemplo. O site também precisa ter um sistema de bate-papo para uma melhor qualidade no atendimento. Nesse sentido, os bots fazem uma interação instantânea, evitando que o público espere alguém para responder.

Para que um usuário se sinta confortável para fazer doações, ele precisa estar alinhado com a proposta. Ainda que as páginas da instituição mostrem o que ela faz, dúvidas sempre ficam. Os chatbots podem ser usados nesse sentido, ajudando a entender as atividades e proporcionando dados mais concretos.

Para quem já é doador, é uma forma de estreitar laços para futuras benfeitorias. A pessoa pode voltar a fazer doações se sentir segurança, respeito e a própria qualidade no atendimento. Daí a importância de ter alguém sempre disponível para interagir, como os bots.

Além disso, podem ser também um guia para instruir o doador entre as páginas, principalmente se ela tiver conteúdo interativo. Algumas ONGs disponibilizam jogos e atividades on-line que podem precisar de instruções. É muito comum em instituições que fazem trabalhos voltados a crianças e pessoas com necessidades especiais.

Outra forma de aplicação dos chatbots é utilizá-los como canal de doação direta. Embora ainda seja pouco comum, a ferramenta consegue coletar os dados financeiros do doador de forma mais direta. Assim, o próprio assistente consegue realizar cadastros e registrar as informações.

Esses bots transacionais costumam ter uma criptografia inteligente para torná-lo seguro. O doador só precisa inserir os dados do cartão ou conta e indicar o valor desejado, em vez de ir para uma página específica de formulário.

Isso gera facilidade e praticidade, ainda mais em uma ação que precisa de velocidade, visto que pode haver desistências no meio do caminho.

Vantagens dos bots para a caridade

Além de aumentar o engajamento das doações e facilitar as transações, os chatbots trazem muitas outras vantagens para as instituições de caridade. Só o fato de mostrar que existe uma preocupação em acompanhar a modernização pela transformação digital já ressalta a qualidade dos trabalhos da ONG.

A economia de recursos também é sempre importante na hora de arrecadar valores para a caridade. Os bots ajudam nesse sentido, já que tiram a necessidade de pagar funcionários para realizar o atendimento. Então, o atendimento digital é aprimorado a um baixo custo.

Claro que algumas instituições conseguem voluntários para esse trabalho, mas aqui entra outra vantagem. A equipe pode ficar livre para executar outras tarefas, como ações presenciais nas ruas para aumentar as participações.

A digitalização das tarefas é uma estratégia que pode ser aplicada a mais de 30% das atividades, sendo os chatbots capazes de participar das ações mais operacionais.

Para o usuário, também há vantagens. Eles não só ganham praticidade para receber informações como ainda não se sentem constrangidos pelos pedidos ou sugestões de doações. O contato real nas ruas muitas vezes se torna inconveniente e invasivo, até afastando alguns possíveis doadores pela abordagem.

Uma conversa digital com pessoas também pode ter efeito similar, enquanto que os bots eliminam a parte do constrangimento. Assim, o doador pode oferecer o valor que quiser, sem ser cobrado por um valor mínimo, por exemplo. A experiência se torna muito mais agradável.

Por outro lado, o que se torna vantagem para as instituições de caridade é que elas também podem coletar informações preciosas sobre o público interessado no trabalho, já que os bots armazenam os dados das interações.

Isso se torna relevante ao planejar estratégias para aumentar o engajamento, estabelecer novos contatos, parcerias etc. Há inúmeras ações que se pode fazer com os dados dos usuários.

Exemplos de chatbots para caridade

Muitas organizações já aplicam os chatbots na transformação digital das atividades, tanto no exterior como no Brasil. Sites, redes sociais e até aplicativos são usados para a tarefa. Vamos conhecer alguns casos?

Teleton: doações diretas

Um caso nacional interessante é o Teleton, voltado para crianças com necessidades especiais. A instituição resolveu incluir os bots na edição de 2017 pelo Facebook Messenger. A escolha foi o modelo transacional, que permitia fazer as doações pelo próprio chat a partir da inserção dos dados do cartão.

WaterAid: storytelling

Outro exemplo de como os bots podem ser usados para melhorar a qualidade no atendimento é o que faz o WaterAid no Facebook. A instituição utiliza a ferramenta a partir do storytelling para gerar uma experiência mais imersiva.

A partir dela, o usuário conhece a história de Sellu, cujo trabalho ajuda aos propósitos da ONG e vice-versa. Para ajudar a montar a trajetória dele, os chatbots fazem uso de imagens, vídeos e questões interativas para guiar o usuário na jornada.

A ideia não é necessariamente conquistar novos doadores, mas fortalecer as conexões com a instituição e aproximar os doadores das pessoas que recebem ajuda.

Akancha Against Harassment: conscientização e apoio

A Akancha Against Harassment é uma instituição indiana que incentiva a consciência sobre o assédio na internet. O site oficial conta com um chatbot que serve para informar e ajudar os usuários em situações de necessidade.

É possível registrar reclamações, conhecer workshops, eventos e receber conselhos em casos de assédio virtual. A ferramenta funciona como estratégia de contato direto, contando com um discurso encorajador para que as vítimas se manifestam e façam as reclamações oficiais.

People, o chatbot que ajuda sua instituição de caridade

Na Cedro Technologies, estamos atentos às necessidades do mercado e disponibilizamos o People para atender a sua instituição de forma personalizada. Ele pode se ajustar às necessidades do seu público e incentivar o engajamento com as doações e participações em campanhas.

O assistente virtual fica disponível por 24 horas ao dia, estendendo a sua presença digital para todos os horários. Ele pode ser acoplado a várias plataformas, desde o site e redes sociais a aplicativos como o Whatsapp e o Telegram.

Descubra todo o potencial do People para as suas propostas de caridade e comece já a usar a tecnologia dos chatbots na sua transformação digital!

Gostou? Compartilhe:

Thiago Morais Felix Costa

Thiago Morais Felix Costa

Product Owner do PEOPLE na Cedro Technologies.