O que é roteamento de ordens na bolsa de valores e quais os tipos

A popularização dos investimentos em ações cresceu tanto nos últimos anos, que em 2020, mesmo com a crise que atingiu o mundo inteiro, o Brasil bateu o número de 1,5 milhão de novos investidores. Porém, algo que também devemos discutir nessa relação é a forma de fazer negociações pela internet e usar o roteamento de ordens para fechar um acordo.

Mas, afinal, você sabe o que é isso e como funcionam as ordens na bolsa pela internet? Entenda qual é o conceito de roteamento de ordens, além de como é feito e dos tipos que existem no mercado.

Se você ficou interessado no assunto, continue aqui e acompanhe! Boa leitura.

 

O que é roteamento de ordens?

Antes de entendermos o que é o roteamento de ordens, precisamos definir o que são ordens na bolsa. Quando uma pessoa quer investir em uma ação, ela envia as informações para a corretora contratada e espera que ela tome as providências necessárias. Esse pedido e a instrução repassada é o que chamamos de “ordem”.

O roteamento de ordens é o canal por onde esses pedidos são enviados e chegam à bolsa. A plataforma de uma corretora de ações, por exemplo, pode ser um dos canais que intermediam o relacionamento entre investidor e empresa responsável pelo investimento. 

É importante destacar que os dois conceitos andam juntos e que você precisa entender ambos para saber a necessidade deles no mercado de ações. 

Aproveite e veja o nosso artigo sobre Como integrar os canais omnichannel ao mercado financeiro?

 

Como é feito esse roteamento?

Mas, afinal, como funciona esse processo e as corretoras recebem as ordens na bolsa? O processo não é simples e precisa da ajuda de especialistas. Quando um investidor deseja apostar numa ação, ele precisa preencher o pedido (ordem) de compra e venda e enviar para a corretora  responsável.

Ela recebe imediatamente o roteamento de ordens e faz a avaliação dos requisitos básicos, que são necessários para aprovação do investidor. Se tudo estiver certo, esse pedido sai da simples comunicação virtual e entra no livro de negociações da Bolsa de Valores.

Se o investidor tiver a sua ordem recusada, o pedido pode entrar no que é chamado de túnel de negociação e aguardar até que seja aceito. Essa situação acontece quando o valor sugerido para a ação esteja muito diferente do que o mercado propõe. 

 

Quais os tipos de roteamento de ordens?

Para que o investidor faça um pedido de ordem para a corretora é preciso que ele entenda que existem tipos de roteamento de ordens e que elas possuem as suas especificações para serem enviadas.

O mercado financeiro deve ser respeitado em suas delimitações e é necessário seguir as instruções em relação aos investimentos. Por isso, separamos aqui quais são esses modelos e qual a característica de cada um. Veja e entenda:

Ordens de mercado

Em primeiro lugar, as ordens de mercado são aquelas em que o corretor segue a média de valores que está atualmente cogitada no mercado e faz com que as ações sejam liberadas mais rapidamente. 

Este é o processo ideal para quem busca um roteamento de ordens agilizado e que não quer esperar muito para ter aprovação em todo o processo burocrático. 

Ordens de limites

Já em relação às ordens de limites, trata-se de um acordo em comum com o corretor responsável, em que ele avalia os valores das ações no mercado e vê se está na média combinada com o investidor.

Caso ultrapasse o valor, a corretora não pode comprar a ação. Tudo deve estar no limite que foi combinado entre ambas as partes. 

Ordens Stop Loss

Quanto às ordens Stop Loss, há uma estratégia um pouco mais pensada e desenvolvida por trás do processo de compra e venda de ações. O investidor, em primeira instância, faz o roteamento de ordens a um preço abaixo do mercado. 

Com isso, caso a ação caia de valor e vá para o tanto que ele investiu, a corretora é obrigada a seguir a linha de ordem de mercado e vender o que foi apostado. Enquanto não há nenhuma oscilação, as ações ficam rendendo dinheiro para o investidor.

Ordens de Stop Móvel

Em relação às ordens de Stop Móvel, temos um sistema parecido com o Stop Loss, mas que a corretora é obrigada a vender as ações caso haja um aumento acima do valor de mercado e que a pessoa tenha investido nessa diferença positiva.

Quanto mais altas as ordens na bolsa estiverem, maior será o lucro do investidor na hora de retirar a quantia das ações. 

Ordens válidas até o cancelamento

Para quem quer investir num roteamento de ordens com mais segurança é possível contar com o tipo válido até o cancelamento. 

Por meio desse modelo você deve escolher qualquer outro tipo de ordens na bolsa, independente de qual seja, e aplicar o cancelamento após um tempo de rendimento no mercado de ações. Com isso, mesmo que haja aumento ou queda, as ações serão vendidas pela corretora. 

Ordens do dia

Por fim, as ordens do dia servem como complemento para todos os outros tipos, a não ser o modelo de “ordens válidas até o cancelamento”. A corretora analisa como estão as ações naquela data e realiza a venda e compra de acordo como o mercado se encontra naquele momento.

Não é necessário esperar tempos e nem mesmo ter uma queda ou aumento. Basta apenas fazer as ordens na bolsa e ver qual o compensamento do dia.

 

Para você que chegou até aqui, vimos que o roteamento de ordens e as ordens na bolsa são dois conceitos um pouco complexos, mas essenciais para quem precisa de uma corretora para investir.

Se você curtiu a temática sobre mercado financeiro, aproveite para navegar em nosso blog e conhecer outros assuntos como esses!

Veja também o nosso e-book completo sobre Insights do Mercado Financeiro para 2021.