Os 4 maiores erros das empresas quando o assunto é diversidade

A gestão de talentos em TI costuma ser um grande desafio para os CIOs. O mesmo se aplica quando o assunto é diversidade. Muitas dúvidas surgem sobre esse ponto e os líderes podem traçar estratégias pouco eficientes para tornar as equipes mais diversificadas. Ou, pior, podem ignorar completamente esse ponto.

Times heterogêneos têm desempenhos melhores porque são compostos por pessoas com diferentes ideias que contribuem para debates frutíferos e trazem soluções inovadoras. Por isso, ignorar a diversidade é um erro grave que os CIOs não devem cometer se quiserem ter melhores resultados em suas empresas e quiserem fazer uma excelente gestão de talentos em TI. 

Neste artigo, vamos mostrar 5 principais erros que os líderes de tecnologia costumam cometer quando o assunto é diversidade e o que você deve fazer para fugir deles. Confira!

1) Ignorar o processo de recrutamento e contratação

A diversidade começa já na contratação os colaboradores. Muitos líderes negligenciam esse aspecto e não há como compensar isso depois. Os processos de recrutamento e contratação são fundamentais para a diversidade dentro da empresa. 

O primeiro passo é deixar esse ponto claro já na divulgação da vaga para o candidato saber que a sua empresa vê na diversidade um valor importante. Agora, não adianta fazer isso se a diversidade não fizer parte da cultura do processo seletivo. Leve isso em conta na hora de fazer as entrevistas, preparar dinâmicas em grupo e desenvolver os testes desta etapa. 

Investir na diversidade do time abre portas não apenas para que novos talentos entrem no seu time, como para trazer novas visões e levar a sua empresa para outro nível e mantê-la conectada com o que acontece no mundo, acompanhando as mudanças atuais. 

Modernizando as ideias da sua empresa, você faz uma gestão de talentos em TI muito mais eficiente. Além, claro, de aumentar as chances de reter talentos interessados em aprender e crescer que não teriam a mesma oportunidade se você investisse em diversidade. Qualificação e recrutamento devem, portanto, andar juntos e estimular uma cultura de aprendizados dentro da área de TI. 

2) Subestimar o poder dos processos e políticas

Você sabia que times com maior diversidade de gênero tendem a ter uma perfomance 50% melhor do que equipes mais homogêneas?

Por isso, as empresas precisam tratar o assunto da diversidade com seriedade e incluí-lo em seus processos e políticas de forma constante. Só assim é possível criar um cultura de inclusão que tenha a diversidade como valor fundamental e tornar esse processo orgânico.

Com isso, os processos de recrutamento, por exemplo, já serão norteados por esse valor. Isso significa uma maior organização das operações e estratégias claras para se chegar ao objetivo de inclusão de pessoas na empresa. Processos e políticas estruturadas são fundamentais para manter a qualidade do recrutamento visando a diversidade. 

O problema enfrentado por muitos CIOs é que esse tipo de processo não está no centro da corporação e, por isso, sofre com falhas constantes por não ter protocolos que orientem os recrutadores nos processo de seleção. 

Além disso, valorizar a inclusão traz segurança para os colaboradores, que se sentem acolhidos no meio de trabalho. Assim, conseguem ter um desempenho muito superior do que se se sentirem inferiorizados ou hostilizados. Propiciar um local inclusivo é importante para garantir a saúde mental desses colaboradores e promover um ambiente saudável e solidário para todos. 

3) Estabelecer uma cultura errada de recompensas

Muitos gestores podem acreditar que estão oferecendo as melhores recompensas ao funcionários. Mas será mesmo? Uma cultura corporativa que oferece os mesmos benefícios para todos os funcionários, sem distinção, pode acabar beneficiando uns e prejudicando outros. 

Já pensou que seus colaboradores podem ter religiões diferentes que estabelecem modos de vida diversos e afetam o dia-a-dia dessas pessoas? Em casos como esse, as recompensas precisam ser adequadas para essas pessoas. Se você oferece cerveja de graça na empresa às quintas-feiras, mas seu colaborador não bebe por motivos religiosos, ele não está sendo beneficiado. 

Além disso, muitas empresas adotam práticas que podem ser vistas como divertidas por alguns, mas que são, na verdade, ultrapassadas por lidarem com estereótipos e até preconceitos que não agregam em nada para um ambiente diversificado. 

A atmosfera da empresa pode ser descontraída e agradar a muitos colaboradores. Mas diversidade é sobre incluir o maior número de pessoas possível, respeitar e valorizar as diferenças. Agora, para oferecer as recompensas certas, não se  pode ser inflexível. 

Por que? é o que vamos ver agora! 

4) Ser inflexível

Ser inflexível é prejudicial em qualquer situação dentro de uma empresa em que se precisa trabalhar em conjunto. Isso fica ainda mais evidente quando se trata de diversidade. A diversidade pede flexibilidade dos líderes para entenderem as diferentes necessidades dos seus colaboradores. 

A resistência em mudar deve ser quebrada para abrir novas perspectivas dentro da área de TI. Isso dá um novo fôlego para as operações e elimina a burocracia dos processos que dificultam ainda mais a inclusão de pessoas com necessidades particulares. 

Pais e mães de filhos pequenos talvez não valorizem tanto um happy hour até tarde, mas ficariam agradecidos se o gestor da área permitisse horários de trabalho mais flexíveis, por exemplo. Mas como entender melhor o que seus colaboradores precisam para ter equilíbrio na vida pessoal e profissional? 

É simples, converse com eles. 

Oferecer aos funcionários o que eles desejam é uma relação ganha-ganha. Afinal, se eles têm condições mais próximas às ideais para eles, trabalham mais motivados e produzem melhor. 

As pessoas devem ser o foco dos CIOs. Ele devem ter em mente que é importante engajar o time e estimular a qualificação dos colaboradores naquilo que cada um precisa desenvolver. Um time que traz membros com habilidades e qualidades complementares tende a ser mais forte, ter alto desempenho e atingir melhores resultados. Um líder que entende isso tem como propósito promover a inclusão de pessoas e valorizá-las justamente por suas diferenças. 

O que você achou deste conteúdo? Deixe o seu comentário ou sugestão aqui embaixo. Até a próxima!