home Sem categoria Human Centered Design e a excelência da UX

Human Centered Design e a excelência da UX

Human Centered Design é um termo recente e muito utilizado na atualidade. Esta abordagem desenvolve soluções de forma a envolver a perspectiva humana em todas as etapas da resolução de problemas.   

Em outras palavras, Human Centered Design são sistemas interativos que visam a real utilidade e necessidade na vida dos usuários, por meio da aplicação de fatores humanos/ergonômicos, usabilidade e técnicas. 

Além disso, esta abordagem ainda busca:

  • Aumentar a eficiência dos sistemas,
  • Melhorar o bem-estar humano,
  • Aperfeiçoar a experiência do usuário, acessibilidade e a sustentabilidade,
  • Neutralizar possíveis efeitos adversos do uso na saúde, segurança e desempenho dos clientes. 

A seguir, vamos discutir um pouco mais sobre o Human Centered Design, seus quatro princípios e de que maneira ele é capaz de transformar a vida dos usuários. 

Os 4 princípios do Human Centered Design

Para projetar experiências inesquecíveis deste tipo para o cliente, é necessário começar a entender profundamente seus comportamentos e necessidades, e isso só é possível por meio de:

  • Observação e envolvimento com os problemas da comunidade,
  • Brainstorming, modelagem/ prototipagem/ implementação nos espaços coletivos,
  • Integração de tecnologia ou outras ferramentas úteis para aliviar os problemas,
  • Feedback dos usuários para determinar o sucesso da solução. 

A rápida expansão da inteligência artificial e da realidade aumentada tem transformado a forma como pensamos o desenvolvimento da tecnologia.

Para a prática de Human Centered Design, o principal desafio é criar uma User Experience (UX) de forma que a tecnologia seja integrada à natureza humana. 

Ou seja, mergulhar nas situações cotidianas, observar comportamentos, construir um entendimento em relação a como e por que as pessoas agem desse modo e gerar as soluções e UXs capazes de melhorar o dia-a-dia das pessoas. 

Mas como em todos os processos que envolvem a vida humana, o Human Centered Design utiliza quatro princípios básicos que devem ser seguidos durante toda a pesquisa e criação:

1. Concentre-se nas pessoas

O Human Centered Design não vê as pessoas como simples usuários e sim como humanos reais que futuramente utilizarão seu produto ou serviço. 

Para identificar seu objetivo real, é necessário conhecer primeiramente o público-alvo e o contexto em que ele estará inserido, ou seja, tempo, lugar e dispositivo. Depois da conclusão destas etapas, fica mais fácil descobrir as jornadas críticas de usuário e criar a UX perfeita. 

2. Encontre o problema real

É impossível resolver todas as dificuldades do mundo, mas quando você identifica o problema principal, todos os outros que surgem como “sintomas” dele também serão resolvidos. 

O processo de identificação dos problemas centrais leva muito tempo, porém é parte essencial do processo de design. Ignorar esta parte ou levá-la sem a seriedade necessária pode fazer com que a equipe identifique problemas errados. 

3. Pense no sistema como um todo 

Pense em toda a experiência do usuário como uma só jornada. Para criar a UX perfeita, você deve visualizá-la como uma só unidade e não como várias etapas diferentes a serem cumpridas.

Como um exemplo para tornar claro este princípio, imagine um aplicativo em que todo o processo de compras é feito de maneira agradável e tranquila. Mas quando o cliente precisa entrar em contato com o serviço de atendimento para solicitar uma troca, encontra respostas lentas e inconclusivas.

Nesse caso a primeira experiência do usuário foi boa, mas a experiência geral não. Por isso o Human Centered Design foca na jornada completa para alcançar a perfeição. 

4. Teste suas decisões de design

Sempre teste seu sistema com pessoas reais e utilize o feedback para entender onde seu design precisa de melhorias.

Ao utilizar pessoas conhecidas ou que tenham alguma relação com o produto, as respostas nem sempre serão representativas, já que nem todos os usuários terão o mesmo comportamento em um determinado contexto. Ou seja, é necessário diversificar para chegar a melhores feedbacks.

As possibilidades são infinitas quando unimos tecnologia à empatia humana em busca da resolução de problemas reais.

A empresa Visa, por exemplo, criou uma equipe de Human Centered Design chamada Innovation Studio e, a partir daí, começou a pensar nas eventuais preocupações que acometiam os usuários ao utilizar seus cartões.

A equipe decidiu, então, focar na segurança digital e criou uma tecnologia de reconhecimento facial que envia mensagens de texto para assegurar que aquela compra on-line está realmente sendo feita.

Esta é a forma que a Visa criou para garantir a segurança de quatro entre dez brasileiros que possuem o cartão e que eventualmente o utilizam para compras pela internet.

Para mais conteúdos atuais, continuem lendo o blog da Cedro Technologies.

Gostou? Compartilhe:

Marco Tulio Barbosa Pires

Marco Tulio Barbosa Pires

Líder do time de UX/UI na Cedro Technologies. Trabalha com inovação e resolução de problemas na experiência do usuário em aplicações web e mobile, com foco no mercado financeiro. Fascinado por séries, tecnologia, inovação e user experience.