ESG E Compliance: tudo sobre a relação

ESG e Compliance

A nova década chegou e tudo indica que não foi apenas o ano que mudou, o mercado de trabalho parece ter percebido que esse é um momento para se “virar a chave” e adotar uma nova mentalidade para com seus impactos sociais. 

Padrões de produtividade, novas tecnologias e preservação ambiental são apenas alguns dos temas que estão chamando muito a atenção das empresas, que observaram a necessidade de modernizar os seus padrões de atuação. 

ESG e Compliance são vistos como a mina de ouro dos grandes empresários. Você sabe o que eles possuem em comum? Confira o post e entenda tudo sobre o tema! 

 

O que é o ESG?

O ESG é um conceito que ganhou fama recente no mundo corporativo, então, uma explicação mais detalhada sobre o tema se faz necessária. 

A sigla significa Environmental, Social and Corporate Governance, na prática, simboliza que a empresa busca seguir práticas relevantes para se posicionar como uma empresa que se preocupa com seus impactos sociais. 

Essas práticas abrangem: 

E: Preocupação com os impactos ambientais e adoção de cuidados especiais na utilização de recursos naturais; 

S: Demonstra uma participação ativa no abraçamento da diversidade social e participação em projetos que visam reduzir a desigualdade na sociedade; 

G: Adoção de práticas transparentes para eliminar casos de corrupção, discriminação e(ou) assédio.

No Brasil, o tema vem ganhando grande notoriedade tanto que existe, inclusive, um indexador dedicado ao ESG lançado em agosto de 2020 pela B3 (Bolsa de valores brasileira). É uma evolução do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial). 

Certo, mas e o que ESG e compliance possuem em comum? Abaixo você terá detalhes sobre essa associação. 

 

ESG e compliance: pontos em comum

Provavelmente você ouve o termo “compliance” com muita frequência, não é verdade? O tema vem se tornado cada vez mais utilizado e é grande o número de empresas que buscam estar “em conformidade”, como diz o termo. 

O compliance recebeu ainda mais a atenção do mundo corporativo após a promulgação da Lei n° 12.846/13, a “Lei Anticorrupção” e de sua regulamentação pelo Decreto n° 8.420/15.

As empresas sabem que o melhor caminho e o mais correto é aquele que permite estar em conformidade com os padrões fiscais. Compliance resume essa importante mentalidade corporativa.

Acontece que os impactos gerados por uma empresa vão muito além do social. Toda empresa também possui uma pegada ecológica a ser destacada, independente do tamanho da companhia.

A preocupação com os impactos ambientais ganhou uma notoriedade ainda maior, após o Acordo de Paris, acontecido em 12 de dezembro de 2015. Ao todo, 195 países participaram desse evento que sinaliza um marco na história climática. 

Desde então, as empresas perceberam que o cuidado ambiental não é apenas um dever ético, mas sim, uma oportunidade de aumentar o potencial comercial dos negócios. 

A preservação ambiental, a reciclagem e a venda de descartes. Tudo isso entra como estratégia de negócio, que permite às empresas maximizarem as suas receitas e colaborarem com o meio ambiente. 

Perceba que são uma série de políticas que receberam a atenção especial do mundo empresarial ao longo dos últimos anos. Esse movimento crescente colaborou para que o ESG se destacasse e ganhasse a cena. 

Embora o termo tenha surgido em 2005, em um relatório denominado Who Cares Wins, ou “Ganha quem se Importa”, na tradução livre, é somente nessa nova década que ele vem se tornado uma febre entre os empresários. 

Cuidados da empresa com o ESG 

Não é errado dizer que o ESG é uma evolução da mentalidade compliance. É ainda mais oportuno dizer que ele simboliza a união de esforços das empresas para a construção de um mundo mais justo, ético e saudável. 

As empresas precisam criar a cultura do ESG. Isso é, formar uma equipe capaz de agir com os princípios éticos que guiam essa visão. 

Não diferente, são as tecnologias, que precisam estar voltadas para a atuação direta no que se refere a manutenção dos princípios do ESG. Não adianta ter uma visão extraordinária se as ferramentas acessíveis ficarem de fora desse propósito.

O ESG não deve ser visto como uma simples prática que visa reforçar a imagem de “empresa do bem” - é um projeto de futuro, a visão daqueles que esperam construir um mundo melhor. 

É notável que essa cultura já vem se tornando uma tendência inevitável. Aqueles que não a seguirem, poderão se “retirar do jogo” muito em breve.

 

Impactos na percepção de marca e nos investimentos

Hoje já existem inúmeras certificações e selos que reforçam o comprometimento das empresas que se dedicam na manutenção dos propósitos éticos do ESG. 

Esses selos demonstram de forma transparente como a empresa tem operado, seja na questão social, seja na questão ambiental. 

Abraçar a diversidade, atuar de forma a zelar o meio ambiente, tudo isso reforça o quanto as empresas estão de fato engajadas com o modelo ESG de atuação. Note que essa preocupação afeta diretamente a atenção dos stakeholders

Muito em breve, as empresas que não se dedicarem para apresentar mudanças concretas para o mundo, ficarão para trás. Agora, aqueles que se dedicarem hoje, sem dúvidas farão parte de uma nova era profissional. 

 

É hora da mudança 

Como a sua empresa tem atuado para garantir a construção de um mundo mais próspero e saudável? Como você deve saber, para trazer mudanças, não basta falar, é preciso agir e agir de forma ágil.

A Cedro Technologies te convida a conhecer o Data Engine, a ferramenta certa para preparar a sua empresa para conhecer a fundo seus clientes, permitindo que as suas atuações aconteçam sempre em harmonia com as questões fiscais

Utilize ESG e compliance como as suas ferramentas guias. Faça parte dessa nova era de profissionais, a hora de agir é agora, o mundo te abre as portas para que você possa fazer a diferença. 

Deixe uma resposta