home Sem categoria 4 práticas e metodologias para gerar inovação nas empresas

4 práticas e metodologias para gerar inovação nas empresas

Nunca se falou tanto sobre a inovação nas empresas e, dada a sua importância, ela é cada vez mais presente em disciplinas nos cursos de especialização em gestão.

Isso porque, hoje, ser capaz de promover a inovação nas organizações é vital para propiciar um processo sustentável de geração de produtos e soluções que atendam aos anseios e necessidades dos clientes.

E a inovação nas empresas só pode acontecer, de fato, com esforços focados e contínuos, eliminando-se também as barreiras internas, como processos “engessados” e ambientes não colaborativos.

Mas para otimizar o processo de inovação nas empresas existem ainda algumas práticas e metodologias empregadas com sucesso em muitas organizações. Acompanhe os tópicos seguintes e saiba mais sobre o assunto!

1. Estratégia de Job Rotation

O Job Rotation é uma prática inovadora e que favorece a cultura da aprendizagem, pois amplia as experiências, os relacionamentos e o conhecimento dos profissionais.

Como o Job Rotation prevê a atuação de colaboradores em departamentos alheios ao seu escopo de trabalho original, eles podem explorar outros universos de conhecimento, desenvolver novos relacionamentos, absorver conceitos e aprender maneiras diferentes de realizar as atividades.

Por outro lado, cada colaborador que participa da experiência de mudar de departamento carrega consigo sua bagagem profissional e seus conhecimentos que também influenciarão em sua nova área de trabalho, produzindo um trabalho mais rico.

Afinal, novas ideias podem surgir, sugestões de melhoria podem vir à tona e o aprimoramento nos processos tende a ser alcançado.

2. Benchmarking com empresas estrangeiras

O benchmarking consiste na análise cuidadosa das melhores práticas de uma, ou mais empresas, que se deseja “imitar”.

É uma estratégia usada há muito tempo por gestores de diversas indústrias para estudar como seus produtos, seus processos de produção e logísticos, por exemplo, estão se saindo em comparação aos concorrentes.

O benchmarking compreende o estudo, interpretação, avaliação e aferição das informações coletadas. Afinal, para que se desenvolva uma legítima inteligência de mercado, é necessário entender o que os dados querem dizer e como podem beneficiar a organização em si.

Em síntese, cada empresa identifica as variáveis que impactam em seu desempenho e depois definem números para os indicadores-chave de performance (KPIs) da indústria ou mercado em relação a esses aspectos.

Por exemplo, uma empresa estrangeira referência de mercado pode ser usada como parâmetro de excelência a ser alcançado.

Desse modo, haverá um “norte” que guiará a equipe de desenvolvimento e inovação na estruturação de iniciativas que melhorem a posição da empresa ou aumentem a sua fatia de mercado por meio de produtos e soluções inovadoras.

3. Aceleradoras de empresas

As aceleradoras são empresas que auxiliam as startups a se estruturarem, ajudando na consolidação e propondo estratégias para acelerar seu crescimento.

Essas organizações podem ajudar tanto com capital, com conhecimento ou mesmo com contatos, movendo esforços para que as startups encontrem seu lugar em um mercado competitivo e com a disputa pela preferência do consumidor vez mais acirrada.

Em breves palavras, a aceleradora é uma empresa que visa prestar suporte à gestão de startups, seja com estrutura física, consultoria ou investimentos.

4. Adoção de novas tecnologias

Para que se promova a inovação nas empresas é impensável deixar de lado o investimento em novas tecnologias.

As empresas são cobradas quanto à qualidade, eficiência, melhores produtos, serviços e processos, e sem as ferramentas adequadas é impossível alcançar os padrões de desempenho demandados.

Ou seja, a inovação tecnológica é essencial para qualquer organização que deseja se projetar no mercado e conquistar melhores resultados no nicho em que atua.

Isso significa que inovar por meio de novas tecnologias significa estabelecer um diferencial perante os concorrentes, aumenta a participação no mercado e a lucratividade, agregando valor aos produtos e serviços prestados e ampliando a relação com novos mercados.

Mas é preciso cautela. Não se deve investir em novas tecnologias como forma de promover a inovação das empresas indiscriminadamente, mas, sim, analisar qual é a melhor solução e quais serão os benefícios conquistados.

E então, você aplica alguma dessas estratégias para promover a inovação na empresa em que atua? Deixe seu comentário e contribua com essa discussão!

Gostou? Compartilhe:

Leonardo Reis

Leonardo Reis

Leonardo Reis é CEO da Cedro Technologies e entusiasta de inovações tecnológicas que revolucionam a sociedade, o mundo e o modo como vivemos.