home TI Entenda a importância do planejamento estratégico para sua empresa

Entenda a importância do planejamento estratégico para sua empresa

Com a proximidade do fim do ano, chega o momento de empreendedores e gestores realizarem os levantamentos dos resultados e frutos obtidos nos últimos doze meses. Este também é o momento de analisar quais são as lições trazidas por 2016 e como elas podem colaborar para o seu planejamento estratégico em 2017.

Pensando nisso, no artigo de hoje, fizemos um apanhado sobre os principais aspectos que devem constar no seu planejamento estratégico e como implementá-los. Falaremos, ainda, sobre a importância do planejamento para o sucesso do seu negócio. Ficou interessado? Então, continue acompanhando!

Por que o planejamento estratégico é importante?

O planejamento estratégico descreve onde a companhia deve chegar. No entanto, como todos os outros “planos de viagem”, sem saber para onde quer ir, deve-se criar os detalhes sobre como chegar. O planejamento estratégico define para onde a empresa está se dirigindo.

O que determina a importância do planejamento estratégico é o impacto de toda a organização nas decisões. Ele fica acima e cumpre o papel de informar todos os outros planos da organização. É, portanto, uma espécie de mestre condutor de todos os planos de ação.

Também é preciso dizer que o planejamento estratégico pode fornecer uma orientação estratégica global para a gestão da organização e dá uma direção específica para áreas como finanças, marketing, desenvolvimento organizacional e recursos humanos, entre outras, para alcançar o sucesso.

Esses outros tipos de planejamento, alguns dos quais são confundidas com o planejamento estratégico, são destinados a partes da organização, ou funções específicas e processos. Todos esses outros tipos de planejamento devem ser guiados por ele.

Qual é o momento ideal para planejar?

O planejamento estratégico é um momento de reflexão, de discussão, avaliação e direcionamento dos rumos do negócio. Por isso, esse período que abrange de dezembro a fevereiro é o mais indicado para fazer um “checkup” da companhia e determinar metas para o ano que está por vir.

No planejamento estratégico são avaliados os pontos fortes e fracos da empresa, a concorrência, as oportunidades de negócio, as lições aprendidas, etc. Depois de fazer estas avaliações, o planejamento deve se desdobrar em planos de ação e projetos práticos.

Ou seja, deve-se definir o que será feito, quando, por quem e com quais custos. É aí que o final do ano e o início do novo ano são as melhores datas para que o corpo executivo faça o planejamento estratégico.

No que consiste um bom planejamento estratégico?

O objetivo do processo de planejamento empresarial é alcançar um consenso entusiástico entre os altos executivos da empresa para um punhado de decisões que eles têm de tomar a fim de colocar o negócio em uma posição forte para enfrentar o ano. Assim, existem alguns aspectos fundamentais a serem considerados.

Coloque tudo no papel

Reúna a equipe executiva para refletir, discutir as lições aprendidas, dar ideias, etc. Comece colocando tudo no papel, relembrando qual é a missão, os valores e a visão da empresa. Reforce sua importância no mercado, desde a ideação até o plano final, tudo deve ser documentado.

Defina os atores envolvidos

Reúna todos os decisores e trace suas participações nas decisões dos rumos que a empresa deve seguir para o próximo ano. Observe quais profissionais se destacaram em cada função e procure delegar tarefas que potencialize as capacidades de cada membro da equipe.

Reúna informações-chave

O próximo passo é reunir o máximo de informações relevantes que possam servir como base para as decisões. Isso perpassa o desempenho no ano anterior, as oportunidades perdidas, como o mercado está se movimentando, como está a concorrência e como está a produtividade da equipe. Também engloba os investimentos que precisarão ser feitos em recursos humanos, financeiros, entre outros.

(Re)avalie o comportamento do seu público-alvo

O mercado é o que podemos chamar de “líquido”, ou seja, está em constante mutação. No que diz respeito ao público e seus anseios e necessidades, essa realidade é ainda mais marcante. Constantemente os padrões de consumo e comportamento são reinventados e influenciados por novas tendências.

Por esse motivo, pesquise a fundo quais campanhas estão trazendo melhores (ou piores) retornos para cada tipo de cliente. Feito isso, invista no que está dando certo para que os resultados sejam ainda melhores e, sobretudo, corrija as falhas das campanhas improdutivas.

Defina metas claras e métricas para avaliar os resultados

Também os objetivos devem se transformar em metas a serem alcançadas — essas metas devem ter prazos bem definidos.

Como será medido o alcance destas metas? É importante definir métricas, ou seja, estratégias para mensurar a qualidade e quantidade dos resultados em relação ao que deve ser atingido.

Fomente o engajamento dos seus funcionários

Pouco (ou nada) adianta contar com recursos e produtos de qualidade, ter o mercado propício para a ascensão do negócio ou já ter visibilidade de marca, se os seus funcionários não vestem a camisa da empresa — e, nesses casos, a responsabilidade é geralmente da falta de uma política efetiva de valorização do funcionário.

Portanto, não se esqueça de observar e valorizar todos os talentos que se destacaram ao longo do ano e, ainda, busque estabelecer um diálogo construtivo com aqueles que demonstram insatisfação. Mostre para seus colaboradores que eles são, sim, reconhecidos e enaltecidos por suas capacidades e trabalho.

Explore suas potencialidades

Com os resultados obtidos nas avaliações das métricas e resultados, procure determinar quais são os principais diferenciais da sua empresa. Com isso, você poderá convergir seus esforços para investimentos e planejamentos mais bem-sucedidos.

Se, por exemplo, sua marca faz mais sucesso entre o público do que a concorrência direta, você pode potencializar isso ainda mais com campanhas que fomentem o desejo do consumidor. Para isso, também é muito importante avaliar a sua concorrência e buscar fazer frente no que ela é omissa.

Organize e coloque em prática

Depois de tudo isso, vem a parte mais difícil: transformar o planejamento estratégico em planos de ação para cada departamento da empresa. E é nesse ponto que o pensamento sistêmico entra em ação.

Como, na prática da operação, serão tomadas ações para alcançar os objetivos traçados no planejamento? Eis a pergunta mais importante que deve ser respondida.

Para finalizar, é também imprescindível refletir que a relevância do planejamento estratégico não vem do grau de controle ou supervisão, ou do nível de instrução detalhada que inclui, mas das decisões que ele representa.

Pronto para realizar o seu planejamento estratégico? Compartilhe nossas dicas nas redes sociais e divida com outras pessoas essas informações!

 

Gostou? Compartilhe:

Bruno Zago

Bruno Zago

Diretor Comercial e de Marketing da Cedro Technologies.