home Sem categoria A experiência com um Robo-Advisor é mais do que a consultoria de um robô

A experiência com um Robo-Advisor é mais do que a consultoria de um robô

Basta mencionar o Robo-Advisor em algumas conversas e aparecem aqueles que levantam a bandeira da interação humana. O que nem todos têm conhecimento é que o objetivo dessa tecnologia não é o de substituir 100% o assessor confiável de investimentos por uma plataforma de corretagem online.

Em 1996, muitos jornalistas diziam para o pessoal da Charles Schwab (Banco de São Francisco – Califórnia) que os clientes nunca iriam investir digitalmente números significativos, porque valorizavam suas relações com seus assessores pessoais. No entanto, os resultados atuais da maioria dos Robo-Advisor mostram que o número de investidores que não precisam do contato pessoal já é expressivo.

Bom, os aspectos delicados como as relações humanas em relação ao gerenciamento de riqueza podem ser (e serão) replicados por uma experiência digital. A experiência de gerenciamento de riqueza de um Robo-Advisor é uma mistura de alta tecnologia que utiliza uma interface de usuário intuitiva e atraente e uma orientação ao cliente sobre investimento, com o toque apropriado às necessidades dele.

A consultoria de um Robo-Advisor pode se dividir em cinco partes, que mostram o que acontece realmente em uma jornada com um Robo-Advisor e o que ele faz por você. Confira:

  1. Conhecer você: Uma experiência de consultoria digital começa com o cliente completando um questionário com perguntas como: Quanto você gosta de arriscar? Quando você deseja resgatar seu dinheiro? Quanto dinheiro você tem para investir? Quais metas de vida você tem? É preciso entender essas informações para as decisões de investimento e conhecer o cliente. É um requisito regulamentar.
  1. Filtrar e escolher por você: Um Robo-Advisor pode filtrar e sintetizar informações como filtrar ativos precisos e individualizados no meio de um extenso portfólio de investimento, além de fornecer dados relevantes que correspondem às necessidades dos usuários. Isso pode ser realizado levando em consideração interesses expressados através da experiência digital.
  1. Aconselhar você: O Robo-Advisor pode verificar periodicamente via chatbot se houve alguma alteração na situação financeira ou nas metas de um cliente ou sugerir informações apropriadas e úteis relacionadas ao investimento, como mudanças do mercado. Ou seja, acompanhamento proativo para balancear a carteira.
  1. Monitorar por você: Detectar uma queda precipitada no saldo da conta ou qualquer outro cenário de interesse estabelecido entre o consultor e o cliente pode ser um gatilho. Além de monitorar as variáveis, pode ser uma oportunidade para que um consultor humano faça contato com o cliente.
  1. Treinar você: As grandes empresas de investimento descobriram que os vídeos e os e-mails no momento certo (seja uma postagem no blog, uma carta do presidente ou um artigo) podem ser altamente eficazes quando se trata de aliviar a ansiedade. Por exemplo, quando uma notícia ruim leva os clientes ao limite, ameaçando entrar em pânico e abandonar suas carteiras.

Os investidores e as empresas que os servem acabarão por obter a combinação certa de tecnologia e toque pessoal que atenda as necessidades do cliente. Não se trata de Robo-Advisor ou relacionamentos confiáveis, trata-se da melhor experiência centrada no cliente, que pode ser criada para ajudar as pessoas a atingir seus objetivos financeiros.

Baseado no texto de Michael Raneri, da Forbes

Gostou? Compartilhe:

Irving Chang

Irving Chang

Consultor de Negócios para o mercado de capitais e corporativo, com mais de 20 anos de experiência com sistemas financeiros pela América Latina