home Sem categoria Como testar uma API de forma amigável

Como testar uma API de forma amigável

A área de Qualidade de Software busca oferecer cada vez mais garantia em suas entregas. Dessa forma testamos cada detalhe possível de nossos produtos, incluindo até mesmo as APIs.

Quando falamos em teste de API em um primeiro instante pode parecer algo complicado. Porém, hoje veremos alguns detalhes sobre os tipos de validações que você pode aplicar em seus testes, além de algumas ferramentas que auxiliarão você nesse processo.

A pergunta que motiva esse nosso artigo de hoje é: Como testamos uma API REST?

As validações de integração de uma API são muito similares ao que já estamos acostumados a fazer, pois executaremos uma funcionalidade que chama uma determinada API e então validamos se o resultado retornado é o esperado na interface ou na API por si só.

Para tornar esse processo mais amigável trouxemos algumas dicas para o teste de API. Acompanhe:

Massa de dados para teste de API

A massa de dados para o teste de API se dá a partir de uma estrutura de dados que será enviada para a API, essa estrutura pode ser um arquivo JSON ou XML contendo os parâmetros da sua API.

Com a estrutura de dados pronta basta informar os dados no BODY da sua requisição para realizar a chamada da API e então validar os retornos apresentados.

Como testar uma API de forma amigável

Quais validações devo realizar em uma API?

As principais validações para as quais você deve se atentar ao testar uma API são:

  • Validar o status retornado;
  • Validar o header de retorno;
  • Validar o body do response;
  • Validar como sua API se comporta quando o serviço está fora;
  • Validar o comportamento da API quando enviado um JSON/XML com uma estrutura incorreta;
  • Validar o retorno com base nos requisitos definidos para cada tipo de dado enviado em sua API.

Existem alguns erros mais comuns para os quais você também pode se atentar ao testar sua API, veja quais são:

  • A API pode não atender a estrutura de dados enviada;
  • Erros de segurança;
  • Problemas de Multi-threading;
  • Não implementação de retornos para erros em determinados cenários.

Boas práticas no teste de API

Para te ajudar nessa trajetória preparamos também algumas das boas práticas que você pode seguir para tornar seu teste de API ainda mais eficiente, confira:

  • Na escrita de seus casos de teste, deixe explícito qual API será chamada para o caso de teste;
  • Insira em seus casos de teste a estrutura de dados que será enviada na execução;
  • Inclua nos seus testes cenários de segurança para verificar que tipo de autenticação será necessária, se os dados precisam ser criptografados, entre outras validações que garantem a segurança;
  • Invista em ferramentas para automatizar a sua API e os dados enviados, dessa forma o processo de execução das chamadas será muito mais eficiente;
  • Se a API realiza integração com um sistema onde você possui acesso realize uma validação dos resultados na interface do sistema (teste de UI).

Ferramentas para teste de API

Na hora de escolher uma ferramenta para realizar seus testes de API busque por uma que permita configurar de forma simples os parâmetros do header, o método de request e o body da sua requisição. Algumas delas são:

  • SOAPUI;
  • Postman with jetpacks;
  • Postman with Newman;
  • Runscope;
  • Curl;
  • Cfix;
  • Check;
  • CTESK;
  • dotTEST.

Aqui foi possível entender um pouco mais do teste de API, além de começar a desmistificar a idéia de que esse tipo de teste é algo complicado. O importante é sempre lembrar que, para o teste de API, precisamos estar mais atentos a pontos específicos, além da necessidade de aprender a manipular ferramentas específicas para a execução do teste de API!

Gostou? Compartilhe:

Elisabeth Mamede

Elisabeth Mamede

Analista de Testes, formada em Sistemas de Informação com certificação Internacional em Qualidade e Teste Software (CTFL/BSTQB). Entusiasta de novas tecnologias e comunidades como o GDG Uberlândia.